Japão descobriu um depósito “semi-infinito” de terras raras que pode abastecer o mundo durante séculos

No início de 2018, uma equipa de investigadores descobriu um depósito de minerais de terras raras na costa do Japão que poderia abastecer o mundo durante séculos, de acordo com um estudo.

A publicação, publicado na revista Nature em abril de 2018, dá conta que o depósito mineral contém 16 milhões de toneladas de metais valiosos.

Os minerais de terras raras são amplamente utilizados nos dias de correm, sendo utilizados desde as baterias dos smartphones até aos automóveis elétricos. Por definição, estes minerais contêm um ou mais dos 17 elementos químicos metálicos de terras raras. Na tabela periódica, as terras raras posicionam-se na segunda linha a partir da parte inferior, indo do elemento com o lantânio (número atómico 57) ao lutécio (71), abrangendo ainda o escândio (21) e o ítrio (39).

Os elementos que constituem o grupo das terras raras foram inicialmente isolados sob a forma de óxidos, recebendo então a designação de “terras”, à época a denominação genérica dada aos óxidos da maioria dos elementos metálicos. Por apresentarem propriedades muito similares e por serem de difícil separação, foram considerados “raros” – tendo daí resultado a denominação terras raras, ainda hoje utilizada.

Apesar de serem bastante abundantes na crosta terrestre, estes elementos são, por norma, amplamente dispersos e, por esse motivo, é raro encontrar uma quantidade substancial dos elementos agrupados como minerais extraíveis, tal como explicam os Serviços Geológicos dos Estados Unidos (USGS).

Atualmente, existem apenas algumas áreas economicamente viáveis ​​onde estes minerais podem ser explorados e, por norma, a extração das terras raras é muito dispendiosa.

A China controla de forma firme e apertada grande parte do fornecimento mundial destes minerais há décadas. A supremacia da China nesta área obrigou o Japão – um gigante da fabricação de eletrónicos – a confiar nos preços ditados pelo seu vizinho.

Descoberta pode mudar a economia global

O depósito recentemente descoberto é suficiente para “fornecer estes metais numa base semi-infinita para o mundo”, escreveram os autores do estudo. Há ítrio suficiente para atender às necessidades globais durante 780 anos, disprósio para 730 anos, európio para 620 anos e térbio para cerca 420 anos.

O “tesouro” de terras raras está localizado na Ilha Minamitori, a cerca de 1.850 quilómetros a sudeste de Tóquio. A área está dentro da zona económica exclusiva do Japão, ou seja, a região insular tem direito exclusivo sob os recursos da zona.

“É uma mudança de paradigma para o Japão”, disse Jack Lifton, fundador da empresa de pesquisa de mercado Technology Metals Research, ao The Wall Street Journal. “A corrida para desenvolver estes recursos está bem encaminhada”, frisou.

O Japão começou a procurar os seus próprios depósitos minerais de terras raras depois de a China ter retido carregamentos destas substancias durante uma disputa por ilhas que ambos os países reivindicam como suas, noticiou a agência Reuters em 2014.

Em 2010, a China reduziu as cotas de exportação de minerais de terras raras, elevando os preços em até 10%, de acordo com o The Journal. Posteriormente, a China foi forçada a  exportar mais minerais depois de a disputa chegar à Organização Mundial do Comércio.

Extração é o grande desafio para o Japão

Os minerais de terras raras podem ser formados pela atividade vulcânica, mas muitos dos minerais existentes no nosso planeta foram formados inicialmente por explosões de supernovas ainda antes da existência da Terra.

Quando o planeta foi formado, os minerais foram incorporados nas partes mais profundas do manto da Terra, uma camada de rocha abaixo da crosta. Como a atividade tectónica moveu porções do manto à sua volta, os minerais de terras raras encontraram o seu caminho, aproximando-se da superfície. O intemperismo – conjunto de processos e fenómenos que levam à desintegração das rochas em sedimentos ao longo de milhões de anos – espalham depois estes minerais raros por todo o planeta.

De momento, a única entrave que impede o Japão de usar o depósito recém-descoberto para dominar o mercado global de minerais de terras raras é o grande desafio que a sua extração implica. Tal como mencionado acima, este processo é caro e, por isso, são necessárias mais pesquisas para encontrar métodos mais baratos, acrescentou Yutaro Takayau, cientista que liderou a instigação.

Os minerais de terras-raras continuarão, muito provavelmente, a representar a espinha dorsal de alguns dos setores que mais crescem na economia global da tecnologia. O Japão tem agora a oportunidade de controlar uma grande fatia da oferta global, forçando os gigantes que fabricam produtos eletrónicos, como a China e os Estados Unidos, a comprar os minerais nos termos impostos pelo Japão.

Fonte: ZAP // Bisness Insider / Science Alert