Bolha gigantesca de magma descoberta sob cidade dos EUA está desafiando geólogos

No nordeste dos Estados Unidos, os geólogos encontraram uma área habitada onde as rochas quentes do manto estão formando uma coluna em direção à superfície da Terra. O que surpreende é que a descoberta foi feita no nordeste do país, em New England, onde não há vulcões e terremotos não são bem conhecidos. A descoberta, segundo os autores, abre as portas para uma pesquisa pioneira sobre o assunto, que desafia os conceitos básicos da geologia, como é ensinado hoje em livros.

“O afloramento que detectamos é como uma bolha com ar quente”, disse Vadim Levin, geofísico e professor do Departamento de Ciências Planetárias e da Terra da Universidade Rutgers, apresentando seu estudo em 29 de novembro. A coluna de rocha quente estava localizada sob o centro de Vermont – cidade de mais de 600.000 habitantes – a oeste de New Hampshire e a oeste de Massachusetts. Isso foi feito usando dados do programa de estudos EarthScope.

A bolha possui 400 quilômetros e sua temperatura excede a de seus arredores em centenas de graus.

Mapa da velocidade das ondas sísmicas a uma profundidade de 195 km (121 milhas) da placa tectônica norte-americana. As cores quentes indicam menor velocidade de onda, o que implica que a rocha nessas regiões é menos densa, mais quente, que se eleva em direção à superfície. A descoberta da região quente é provavelmente devido ao fluxo de rochas quentes (Vadim Levin / Rutgers-New Brunswick)
Mapa da velocidade das ondas sísmicas a uma profundidade de 195 km (121 milhas) da placa tectônica norte-americana. As cores quentes indicam menor velocidade de onda, o que implica que a rocha nessas regiões é menos densa, mais quente, que se eleva em direção à superfície. A descoberta da região quente é provavelmente devido ao fluxo de rochas quentes (Vadim Levin / Rutgers-New Brunswick)

A descoberta surgiu quando a Universidade Rutgers estava estudando as zonas quentes do manto superior que está sob a crosta terrestre e isso é identificável com instrumentos sismológicos.

O surpreendente foi descobrir que pelo menos em um lugar, o magma parece estar brotando para a superfície, sem mostrar quaisquer sinais externos ainda. Seu processo natural será derivar em uma erupção, mas isso não significa que os residentes de Vermont tenham que se preocupar antes que passem milhares de anos.

Magma que viaja pela superfície. Novo estudo descobre zonas quentes de magma perto da superfície onde não há vulcões ou terremotos no nordeste dos EUA (Imagem ilustrativa da Wikimedia)
Magma que viaja pela superfície. Novo estudo descobre zonas quentes de magma perto da superfície onde não há vulcões ou terremotos no nordeste dos EUA (Imagem ilustrativa da Wikimedia)

“Certamente ainda não é hora”, diz Levin. “Vamos ver em 50 milhões de anos o que acontece.” De acordo com suas previsões, ainda há um longo caminho a percorrer antes que a lava exploda na superfície, os moradores não precisam se preocupar.

“Não é semelhante ao Yellowstone, mas é um parente distante no sentido de ser relativamente pequeno”, acrescentou.

A imagem a seguir mostra as reservas gigantescas de magma quente em Yelowstone Park, Estados Unidos.

Yellowstone e suas duas grandes reservas de magma (U Utah)
Yellowstone e suas duas grandes reservas de magma (U Utah)

O geólogo relatou que “a borda do Atlântico na América do Norte não experimentou intensa atividade geológica por quase 200 milhões de anos”. É classificado como uma área em um período de “margem passiva”, onde se pensava que a perda de calor deveria estar ocorrendo dentro da Terra, e não com erupções vulcânicas.

Essa descoberta surpreendente em uma área “geologicamente silenciosa” foi totalmente inesperada.

“O próximo passo é tentar entender exatamente como isso está acontecendo”, disse Levin.

“Nosso estudo desafia a noção estabelecida de como os continentes em que vivemos se comportam”, disse Levin.

O fato de que há uma bomba-relógio sob uma cidade, mesmo que ela não exploda em centenas de milhares de anos, “é um sinal de que talvez seja hora de repensar a geologia da região”, dizem os autores.

Vermont, Woodstock. New England (Wikimedia)
Vermont, Woodstock. New England (Wikimedia)

Outras colunas de magma?

Acredita-se que outras colunas de rochas quentes que chegam à superfície “possam ocorrer em outro lugar”, uma vez que as conclusões do estudo foram baseadas apenas nas observações sísmicas disponíveis.

A pesquisa foi publicada na revista Geology, incluindo o trabalho dos co-autores Yiran Li e Peter Skryzalin, que fizeram suas pesquisas com pesquisadores da Universidade de Yale.

Para suas descobertas, os pesquisadores aproveitaram as instalações de milhares de dispositivos sísmicos nos Estados Unidos, localizados a 46,6 quilômetros de distância, como parte de um programa de pesquisa chamado EarthScope, que procurou revelar a estrutura e a evolução do continente norte-americano, além dos processos que causam terremotos e erupções vulcânicas.

Os cientistas estudavam as ondas sísmicas do topo do manto quente da Terra – a litosfera.

“Queríamos ver como a América do Norte desliza sobre as partes mais profundas do nosso planeta. É uma região muito grande e relativamente estável “, explicou o cientista.

Sob New England, apareceram áreas menos rochosas no mapa onde a rocha deveria ser mais quente. Lá as ondas sísmicas se movem mais devagar.

Eles também observaram padrões de ondas que sugerem deformações na própria rocha.

Isso pode estar se replicando em muitas outras partes do planeta.

Fonte: Epoch Times