Altamira Gold amplia posição de terra em Mato Grosso

Altamira Gold Corp. (TSXV: ALTA) informou que apresentou um pedido para expandir para 300.000 hectares sua posição de terra no projeto Firminho, localizado dentro do Cinturão Alta Floresta em Mato Grosso, centro-oeste do Brasil. Tal expansão seria alcançada com a adição de novas reivindicações que ocupam mais de 70.000 hectares e ficam na margem norte do cinturão próximo ao contato com os sedimentos do Cachimbo Graben.

“Estamos extremamente satisfeitos por ter conseguido adquirir essas novas áreas de exploração, o que amplia significativamente o potencial do projeto Firminho. O novo terreno agora expande nossa posição de terra para três grandes projetos no flanco norte do Cinturão de Alta Floresta ”, disse o presidente e CEO da Altamira Gold, Michael Bennett, em um comunicado à imprensa.

De acordo com Bennett, após uma significativa descoberta de cobre pórfiro na parte leste do cinturão, as principais mineradoras desenvolveram interesse na área. Sua empresa, no entanto, opera há uma década.

“Desde setembro de 2017, a Anglo American, a Nexa Resources e a maior produtora de cobre do mundo, a Codelco, estatal do Chile, cercaram o posicionamento de terra de Altamira. Ao longo do ano todo o distrito tem estado muito ativo com equipes técnicas de várias grandes empresas de mineração que realizam amostragem geoquímica, levantamentos geofísicos de solo, perfuração de diamante e geofísica aérea em todo o cinturão ”, disse o executivo no comunicado de imprensa de hoje.

Altamira relata que as pesquisas iniciais conduzidas pelo Serviço Geológico do Brasil em 2008 e pela Universidade de Campinas em dezembro de 2015 enfatizaram o potencial dentro do Cinturão Alta Floresta de hospedar mineralizações de ouro e metais de base paleoproterozóicos relacionadas com o pórfiro.

Fonte: O Petróleo