Impactos da mineração sobre as águas em Oriximiná são tema de livro e mesa redonda

Para apresentar impactos da atividade sobre as águas utilizadas por comunidades ribeirinhas e quilombolas, de Oriximiná, no oeste do Pará, o projeto de extensão “Espaços Transversais: Perspectivas em Meio Ambiente – ETPMA” da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) e a Comissão Pró-Índio de São Paulo promovem uma mesa redonda para o lançamento do livro “Antes a água era cristalina, pura e sadia – impactos socioambientais da mineração em Oriximiná”, nesta quinta-feira (5).

A mesa redonda será realizada no Miniauditório 1 do ICTA, no prédio anexo à Ufopa – Unidade Amazônia, na Av. Mendonça Furtado, nº 2946, bairro Fátima, e terá a participação de representantes do Quilombo Boa Vista, das comunidades ribeirinhas de Boa Nova e Saracá e da Comissão Pró-Índio de São Paulo. As inscrições são gratuitas e poderão ser feitas no local do evento.

Considerado o maior produtor de bauxita do Brasil, o município de Oriximiná tem hoje 25 barragens de rejeitos de mineração.

O livro

De autoria de Lucia Mendonça Morato de Andrade, o livro publicado pela Comissão Pró-Índio de São Paulo aborda as percepções de moradores sobre os impactos da mineração sobre as águas e a segurança das barragens de rejeitos.

A publicação também traz recomendações para diferentes atores-chave envolvidos no caso, que visam fortalecer o controle social sobre o empreendimento. A versão digital já pode ser acessada aqui.

Serviço:

  • Mesa redonda e lançamento do livro “Antes a água era cristalina, pura e sadia: Percepções quilombolas e ribeirinhas dos impactos e riscos da mineração em Oriximiná, Pará”
  • Data: 5/12/2018
  • Horário: 9h
  • Local: Miniauditório 1 do ICTA, no prédio anexo à Ufopa – Unidade Amazônia (Av. Mendonça Furtado, nº 2946 – Fátima).

Fonte: G1