Cobre opera em baixa, após forte queda do minério de ferro

Os futuros de cobre e de outros metais básicos operam em baixa na manhã desta terça-feira, após uma forte queda do US$ 6.132,50 por tonelada, ampliando suas perdas na semana a 2%, embora o metal permanecesse dentro da faixa relativamente estreita das últimas semanas.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para entrega em dezembro operava em baixa de 1,05%, a US$ 2,7260 por libra-peso, às 9h35 (de Brasília).

Ontem, a cotação do minério de ferro sofreu um tombo de 6,5%, segundo a Bloomberg, com as siderúrgicas da China mostrando dificuldades financeiras com a tendência de queda na demanda do país.

“Se você observar as margens (do setor siderúrgico) na China, verá que estão imensamente pressionadas. Houve produção recorde nos últimos dois meses, então o lado da oferta parece bastante positivo”, comentou Warren Patterson, estrategista do ING. “Além disso, há preocupações crescentes sobre o lado da demanda.”

Investidores vão acompanhar de perto números oficiais da atividade manufatureira chinesa, a ser divulgados na quinta-feira (29), em busca de novos sinais sobre o declínio na demanda do setor industrial da China.

Também pressiona os metais comentário do presidente dos EUA, Donald Trump, de que é “altamente improvável” que ele aceite pedido de Pequim para adiar um aumento de tarifas sobre produtos chineses, previsto para 1º de janeiro. Trump falou antes de se reunir com o presidente chinês, Xi Jinping, durante reunião do G-20 na Argentina, no fim da semana.

Entre outros metais na LME, as perdas eram generalizadas. No horário citado acima, o alumínio recuava 0,77%, a US$ 1.934,00 por tonelada, zinco tinha baixa de 2,11%, a US$ 2.433,00 por tonelada, o estanho cedia 0,4%, a US$ 18.725,00 por tonelada, o níquel caía 0,97%, a US$ 10.775,00 por tonelada, e o chumbo registrava queda de 0,85%, a US$ 1.931,50 por tonelada.

Fonte: Dow Jones Newswires