BHP e Vale chegam a acordo com autoridades brasileiras sobre desastre na barragem da Samarco

Em 5 de novembro de 2015, a mina de minério de ferro da Samarco no sudeste do Brasil explodiu, resultando no derramamento de 60 milhões de metros cúbicos de minério de ferro – o suficiente para encher 25 mil piscinas olímpicas – envolvendo aldeias, contaminando rios e rios. causando destruição maciça da flora e fauna da região.

A Samarco concordou em pagar um valor preliminar de R $ 1 bilhão para cobrir os custos de limpeza e compensação – os custos que a companhia disse já excederam o teto de seguro por danos civis. Também foi multado em R $ 250 milhões pelas autoridades brasileiras encarregadas do meio ambiente, por infrações que incluem poluição da água e danos às áreas urbanas. Futuras penalidades financeiras foram previstas, e foi dito que as empresas de mineração envolvidas teriam que pagar pelos esforços de recuperação.

No início deste mês, a gigante petrolífera BHP Billiton confirmou que sua joint venture Samarco Mineração, juntamente com a Vale SA, pagará um total de R $ 2 bilhões neste ano, R $ 1,2 bilhão em 2017 e outros R $ 1,2 bilhão no ano. após 12 meses, com pagamentos anuais entre R $ 800M e R $ 1,6 bilhão a serem pagos anualmente entre 2019 e 2021, dependendo das necessidades do projeto. “O acordo proporciona ao mercado certo grau de certeza em relação ao impacto financeiro”, disse Chris Weston, estrategista-chefe de mercado do IG.

A BHP acrescentou que a Samarco, a Vale e a BHP Billiton Brasil estabelecerão uma fundação para ajudar no redes envolvimento das áreas afetadas pela catástrofe através de programas socioeconômicos relevantes. Essa fundação será administrada em conjunto por membros representando as três partes envolvidas, além das autoridades brasileiras.

Fonte: O Petróleo