Mina subterrânea Lamego atravessa a fronteira e chega ao município de Caeté (MG)

Um importante marco na trajetória da AngloGold Ashanti em Minas Gerais foi registrado: a chegada da mina de Lamego ao município de Caeté pelo subterrâneo. Em operação desde 2009, a mina compõe a Unidade de Negócios Cuiabá-Lamego, responsável por 50% da produção nacional da empresa e por empregar mais de 3.300 pessoas, entre diretos e indiretos, dos quais 1,2 mil residem em Caeté.

“Por ser um munícipio vizinho às nossas operações, já tínhamos presença em Caeté há vários anos, contribuindo com o desenvolvimento local do munícipio, por meio da geração de empregos, de compras com fornecedores locais e investimento social. Agora, este marco representa um novo momento em nossa história que, sem dúvida alguma, estreita nossas relações”, ressalta Camilo Farace, presidente da AngloGold Ashanti Brasil.

Em 2017, a companhia promoveu R$ 3,7 milhões em compras locais com empresas do município e R$ 293 mil de investimento social na cidade.

A vinda oficial da AngloGold Ashanti para Caeté é celebrada na cidade. “A AngloGold Ashanti já participa ativamente da vida do cidadão caeetense, com projetos de responsabilidade ambiental, social e cultural. A cada dia, a união entre a empresa e o município se torna mais forte”, afirma Lucas Coelho, prefeito de Caeté. Acompanhado de vereadores, secretários e outros representantes do governo municipal, o prefeito esteve em visita à mina de Lamego nesta quarta-feira, 29 de agosto, onde inaugurou um marco no subsolo que demarca a divisa do município.

A chegada em Caeté é decorrente de uma expansão natural da lavra subterrânea em Lamego, com o aprofundamento da mina, já previsto no plano de negócios da empresa. A mina opera na casa das 42 koz anuais e continuará mantendo operações no município vizinho de Sabará, que também sedia a Mina Cuiabá.

De acordo com o diretor da Unidade de Negócios de Cuiabá-Lamego, Ricardo Assis, Lamego é uma operação importante para o grupo. “O que produzimos nesta mina contribui para alcançarmos nossa meta de produção nacional de cerca de 17 toneladas ao ano, o que representa 15% da produção da AngloGold Ashanti no mundo”, destaca.

Ele ressalta que estes objetivos são alcançados com o que há de mais moderno na lavra, extração e produção de ouro. “Investimos, constantemente, em inovação e tecnologia dos nossos processos para alcançarmos a excelência nas nossas operações. Um exemplo disso é a crescente tecnologia aplicada nas operações de subsolo, o que possibilita mais segurança e mais produtividade das minas”, detalha Assis.

Fonte: Conexão Mineral