Cobre opera em baixa após índústria chinesa indicar fim de expansão da atividade

Os contratos futuros de cobre operam em baixa na manhã desta segunda-feira, reagindo a indicadores da economia chinesa, que mostraram forte desaceleração da atividade do país, que é o maior consumidor de metais básicos do mundo. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o cobre para entrega em dezembro recuava 1,00%, para US$ 2,7770 por libra-peso, por volta das 7h30 (de Brasília). No mesmo horário, a tonelada do metal para entrega em três meses recuava 0,27%, para US$ 6.242,50.

Na noite de sábado para domingo, a IHS Markit e a Caixin Media informaram que o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial da China recuou de 50,6 em agosto para 50,0 em setembro. A marca de 50 pontos separa expansão da atividade de contração e o resultado do mês passado encerra 15 meses consecutivos de crescimento da atividade industrial chinesa.

“A expansão em todo o setor manufatureiro chinês se enfraqueceu em setembro, com as exportações cada vez mais puxando para baixo o desempenho e a demanda continuamente mais fraca começando a ter um impacto na produção das empresas”, disse Zhengsheng Zhong, economista do CEBM Group, em comunicado. “A pressão baixista sobre a economia chinesa foi significativa”, afirmou o economista.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco caía 0,15%, para US$ 2.594,50 por tonelada; o alumínio recuava 0,73%, para US$ 2.069,00 por tonelada; o estanho subia 0,42%, para US$ 18.925,00 por tonelada; o níquel baixava 0,80%, para US$ 12.445,00 por tonelada; e o chumbo tinha alta de 0,30%, para US$ 2.038,00 por tonelada.

Fonte: (Com Dow Jones Newswires) Isto É