Cobre opera em queda com tensões comerciais entre EUA e China e dólar forte

O preço do cobre e de outros metais básicos operam queda nesta segunda-feira, na esteira do aumento das tensões comerciais entre os EUA e a China. Às 7h50 (de Brasília), o cobre para três meses caía 1,09%, a US$ 6.108,50 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). Às 8h00, o cobre para setembro tinha baixa de 1,59%, a US$ 2,7195 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

“A disputa comercial entre os EUA e a China, que continuaram a aumentar no fim de semana, está derrubando quase todos os preços dos metais à medida que a nova semana começa”, escreveram analistas do Commerzbank em nota. A China disse na sexta-feira que planeja impor tarifas à maioria de suas importações norte-americanas, variando de 5% a 25%, seguindo as ameaças do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, no início da semana passada para mais do que dobrar as tarifas propostas (de 10% para 25%) sobre mais US$ 200 bilhões em produtos chineses.

 No fim de semana, Trump escreveu em seu Twitter que as tarifas sobre a China estão “funcionando muito melhor do que qualquer um jamais previu”.  ”A disputa comercial presumivelmente manterá os mercados de metais em frangalhos por algum tempo ainda, e deve continuar a ser o principal motor dos preços, pelo menos no futuro próximo”, de acordo com o Commerzbank. A China é o maior consumidor mundial de metais industriais como o cobre.

 Além disso, o dólar mais forte também pesa sobre as negociações do cobre, uma vez que o metal, que é cotado na moeda americana, se torna mais caro aos detentores de outras moedas.

Entre outros metais básicos, o zinco caía 1,88%, para US$ 2.558,50 a tonelada métrica, o alumínio subia 0,25%, para US$ 2.033,00 a tonelada métrica, o estanho recuava 0,08%, para US$ 19.615,00 a tonelada métrica, o níquel tinha queda de 1,33%, para US$ 13.330,00 a tonelada métrica e o chumbo perdia 1,63%, para US$ 2.078,00 a tonelada métrica.

Fonte: Dow Jones Newswires