Futuros do aço avançam na China com cortes de produção; minério também sobe

Os contratos futuros do aço na China fecharam em alta nesta quarta-feira, depois que a principal cidade produtora do país, Tangshan, anunciou que restringirá ainda mais a produção durante o verão (no Hemisfério Norte), levantando preocupações quanto à escassez de oferta no mercado. Tangshan, que abriga 64 siderúrgicas, ordenou que as plantas produtoras cortem a produção a partir de 20 de julho até 31 de agosto, segundo um documento do governo da cidade. Esse é a mais recente medida para conter a poluição em uma das áreas mais poluídas do país.

Máquinas de sinterização e altos fornos nas usinas serão os principais alvos, mas o documento não instruiu as fábricas a reduzir a produção em uma quantidade específica. Analistas acreditam que a mais recente restrição possa reduzir a produção em até 150 mil toneladas de aço quente por dia em Tangshan. O vergalhão de aço na Bolsa de Xangai fechou em alta de 0,5 por cento, a 3.879 iuanes (582,79 dólares) por tonelada, apesar do recuo dos preços de outras importantes commodities em meio a temores quanto à disputa comercial entre Estados Unidos e China.

Washington disse na terça-feira que imporá uma tarifa de 10 por cento sobre um valor adicional de 200 bilhões de dólares em importações chinesas, incluindo centenas de produtos alimentícios, bem como tabaco, carvão, produtos químicos e eletrônicos de consumo. O contrato de minério de ferro mais negociado na Bolsa de Dalian, para entrega em setembro , fechou em leve alta de 0,5 por cento, a 463,5 iuanes por tonelada, após ter chegado a cair 2,5 por cento durante o pregão.

Fonte: Reuters