Quotas dos EUA ainda não afetam exportações de aço, diz ministro

A imposição de quotas ao aço brasileiro pelos Estados Unidos ainda não afetou as exportações brasileiras, afirmou hoje (3) o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge de Lima. Segundo ele, é necessário um acompanhamento de médio e longo prazos para verificar os efeitos das restrições comerciais norte-americanas. Ele disse, no entanto, que as análises preliminares não verificaram impacto sobre as vendas do metal.

“Temos de observar mais adiante como as exportações de aço vão se comportar. Até agora, conseguimos manter a média de exportações de aço para os Estados Unidos. O Brasil tem uma quota reduzida para o produto [aço] acabado, que está sendo acomodada internamente. Entretanto temos que observar como os embarques vão se comportar até dezembro”, declarou Lima.

Em junho, o Brasil exportou US$ 622 milhões de semimanufaturados de ferro e de aço, quase o dobro dos US$ 312 milhões vendidos no mesmo mês do ano passado. As exportações de tubos flexíveis de ferro e de aço somaram US$ 161 milhões, contra US$ 156 milhões em junho de 2017.

Para fugir da sobretaxação de 25% para o aço, o Brasil negociou com os Estados Unidos quotas máximas calculadas com base na média do volume exportado de 2015 a 2017. O limite de exportação de aço semiacabado (como blocos e placas), usados como insumo por siderúrgicas norte-americanas, equivalerá a 100% dessa média. Para os produtos acabados (aços longos, planos, inoxidáveis e tubos), a quota corresponderá a 70% desse montante.

Fonte: Isto É