Votorantim lucra R$ 150 milhões no 1ºtri

O grupo Votorantim reportou lucro líquido de R$ 150 milhões no primeiro trimestre deste ano, revertendo prejuízo de R$ 546 milhões de um ano antes. Segundo a companhia, o resultado foi impactado pela alta dos preços de metais e das vendas de cimento e alumínio primário no Brasil.

“Apesar das incertezas políticas no Brasil, houve uma melhora do ambiente econômico do País. Não obstante, manteremos nossa prudência usual na condução dos negócios e apresentaremos resultados ainda melhores ao longo dos próximos trimestres”, disse em nota o CEO da Votorantim, João Miranda.

A holding que controla gigantes da indústria como Votorantim Cimentos e Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) registrou lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de R$ 1,1 bilhão nos três primeiros meses do ano, avanço de 87% sobre igual intervalo de 2017.

A receita líquida do grupo cresceu 20% na mesma base de comparação, para R$ 6,8 bilhões. Em nota, a Votorantim destacou o impacto positivo da alta dos preços dos metais na Bolsa de Metais de Londres (LME, na sigla em inglês), com o zinco registrando avanço de 23%; o chumbo, 11%; cobre, 19% e o alumínio de 17%.

Em março deste ano, o grupo anunciou a combinação dos negócios da Fibria com a Suzano, o que depende ainda da aprovação nas assembleias de acionistas das duas empresas e de órgãos reguladores.

Investimentos

O Capex da Votorantim no primeiro trimestre somou R$ 345 milhões, queda de 39% em relação aos três primeiros meses de 2017. Em balanço, a companhia informou que os projetos de expansão representaram 35% do total investido de janeiro a março deste ano, sendo que 41% desse valor foi destinado ao complexo de geração de energia eólica Ventos do Piauí. Cimento representou 35% do aporte em expansão, com destaque para o aumento de capacidade da planta de Charlevoix (no norte dos Estados Unidos), que tem previsão de início de operação ainda no primeiro semestre de 2018.

Fonte: DCI