A Via Láctea está crescendo. E rápido: 500 metros por segundo

O IPTU da Via Láctea não deve ser lá muito barato: a nossa galáxia tem, na hipótese mais humilde, 100 mil anos-luz de diâmetro. Isso significa, em bom português, que você demoraria 899 bilhões de anos para percorrê-la em um carro a 120 quilômetros por hora (65 vezes mais tempo que a idade do Universo). É muito espaço – não surpreende que ela seja lar de algo entre 100 e 400 bilhões de estrelas.

O tamanho já monumental não impede, porém, que ela cresça mais. Muito mais. Cristina Martínez-Lombilla, do Instituto de Astrofísica das Canárias, na Espanha, revelou em um congresso científico na semana passada que nosso aglomerado de estrelas ganha 500 metros a cada segundo. “A Via Láctea já é bem grandinha. Mas nosso trabalho mostra que (…) ela está aumentando conforme estrelas se formam na periferia”, explicou a astrônoma. “Não é um processo rápido, mas se você pudesse dar um fast foward e observá-la daqui 3 bilhões de anos, ela já estaria 5% maior do que é hoje.”

Medir esse Biotônico Fontoura cósmico não é fácil. O primeiro passo é estimar a idade das estrelas com base em sua cor. De maneira simplificada, as azuis, quentes e imensas, são mais luminosas e vivem menos (“só” alguns milhões de anos). Já as vermelhas, menores e bem menos brilhantes, duram uns bons bilhões de anos.

Fonte: Super Interessante