Cobre opera em baixa, sem fôlego após alta da sessão anterior

O cobre opera em queda na manhã desta quinta-feira (15), sem impulso após ter subido no pregão anterior. Hoje, há ainda volumes menores em negociação, segundo agentes do mercado. Às 8h55min (de Brasília), o cobre para três meses recuava 0,33%, a US$ 6.959,50 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). Às 9h13min, o cobre para maio caía 0,74%, a SU$ 3,1350 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex). O dólar mais forte contribui para o movimento. Nesse caso, as commodities cotadas na moeda americana ficam mais caras para os detentores de outras divisas. Os contratos ainda subiram ontem com dados fortes da indústria da China, o que abre espaço para um ajuste hoje. Além disso, continua a haver a cautela com o risco de mais medidas protecionistas, após o governo dos Estados Unidos anunciar tarifas à importação de aço e alumínio. Alguns países reagiram e ameaçaram adotar medidas retaliatórias. O temor de uma guerra comercial segue no radar, embora autoridades tenham em geral dito que querem evitar um aprofundamento na crise e preferem negociar. Entre outros metais básicos negociados na LME, o alumínio recuava 0,14%, a US$ 2.086 a tonelada, o zinco subia 0,76%, a US$ 3.235 a tonelada, o estanho tinha baixa de 1,80%, a US$ 20.770 a tonelada, o níquel caía 0,43%, a US$ 13.735 a tonelada, e o chumbo subia 0,12%, a US$ 2.399 a tonelada.

Fonte: Jornal do Comércio