Paz na Colômbia gera nova perspectiva para o cobre em mineradora

O acordo de paz com a guerrilha marxista abriu para a prospecção mineral áreas antes inacessíveis da Colômbia, segundo uma empresa de exploração controlada pela Ivanhoe Industries, de Robert Friedland.

“A grande maioria do país agora está aberta para exploração e os geólogos estão visitando áreas nas quais não se sentiriam à vontade há cinco ou 10 anos”, disse o CEO da Cordoba Minerals, Mario Stifano, em entrevista, por telefone. “Analisaremos todo o país agora.”

A Cordoba Minerals é dona do projeto de cobre e ouro San Matias, no norte da Colômbia, que concentra a perfuração no depósito de Alacrán. Uma nova estimativa de recursos deverá ser divulgada neste trimestre. A Cordoba é indiretamente controlada pela empresa de Friedland, um magnata canadense da mineração, por meio de participação de 66,6 por cento na High Power Exploration.

O conflito colombiano matou mais de 200.000 pessoas e deslocou milhões durante mais de meio século. Em 2016, o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) assinaram um acordo de paz e o grupo participará das eleições parlamentares e presidencial deste ano como partido político legal.

O interesse no país aumentou desde o acordo, mas é pouco provável que o investimento em mineração decole antes da eleição presidencial, em maio, segundo a Associação Colombiana de Mineração. O processo de licenciamento lento e a oposição da comunidade continuam representando um desafio para o setor.

“Este ano será difícil em termos de investimento porque a agenda política determinará a chegada ou não de novos projetos”, disse o presidente da associação, Santiago Ángel, por telefone. “Temos esperanças de que as coisas acelerarão no segundosemestre.”

No ano passado, a Newmont Mining comprou uma participação na Continental Gold, e representantes da Fortescue Metals visitaram a Colômbia em diversas oportunidades, disse Ángel. A Fortescue, fundada pelo bilionário australiano Andrew Forrest, está se somando à busca de cobre na Colômbia, disse a CEO Elizabeth Gaines no mês passado.

A associação calcula o investimento estrangeiro direto em mineração no ano passado em cerca de US$ 600 milhões e prevê um montante similar neste ano. O governo está ajudando a promover a mineração por meio da criação de incentivos fiscais, mas alguns candidatos à presidência ainda não divulgaram propostas de políticas para a mineração, disse Ángel.

Distrito do cobre

A propriedade San Matías, da Cordoba, compreende 20.000 hectares e fica perto da gigantesca mina de níquel Cerro Matoso, da South32. A empresa quer identificar projetos que possam chegar à fase de produção com um investimento de US$ 300 milhões a US$ 500 milhões. A companhia gastou US$ 30 milhões nos últimos dois anos e continuará investindo ”agressivamente” no país, disse Stifano.

Por enquanto a empresa está focada no depósito de Alacrán. Nos próximos 12 a 36 meses, contudo, buscará uma expansão para outras áreas dentro da concessão e avaliará extensões no distrito.

“Ninguém realmente explora minerais no norte da Colômbia desde a descoberta de Cerro Matoso, nos anos 1980″, disse Stifano. “A Colômbia não tem projetos de cobre consideráveis entrando em produção, por isso seria ótimo mostrar que o Alacrán é um depósito barato e que podemos adicionar mais alguns depósitos no distrito.”

Friedland é conhecido pela enorme mina de cobre e ouro de Oyu Tolgoi descoberta no deserto de Gobi, na Mongólia, em 2001, e também pela descoberta de níquel em Voisey’s Bay, Labrador, no Canadá.

–Com a colaboração de Danielle Bochove

Fonte: Bloomberg