Indústria de mineração ansiosa pela mudança de liderança na África do Sul

O novo otimismo sobre o futuro da mineração da África do Sul percorreu a indústria nesta semana, focado nas esperanças de reformas empresariais sob a nova liderança do partido no poder. A maior conferência de investimento em mineração do mundo começou na Cidade do Cabo na segunda-feira, quando o partido do ANC se reuniu para discutir se o presidente Jacob Zuma poderia ser substituído em breve por seu deputado Cyril Ramaphosa.

Ramaphosa, um ex-ex-executivo mineiro, assumiu recentemente o cargo de chefe do Congresso Nacional Africano de Zuma. “Pela primeira vez, é possível olhar para a frente com uma esperança razoável, em vez de uma sensação de pressentimento”, disse Roger Baxter, CEO da Câmara de Minas da África do Sul, quando a conferência “Mining Indaba” abriu. Mais de 460 mil pessoas trabalham na indústria de mineração da África do Sul. Mas um impasse entre o governo e os negócios sobre a legislação chave paralisou a indústria, enquanto um contínuo escândalo de corrupção em torno do presidente Zuma assustou os investidores. A eleição em dezembro de Ramaphosa para liderar o ANC foi motivo de “um novo senso de esperança”, afirmou Baxter.

“Há um vento positivo de mudança soprando”, disse ele. A África do Sul sofreu duas avaliações de baixa no ano passado, enquanto as relações entre a indústria e o governo entraram em colapso em um stand-off sobre a carta de mineração, um documento orientador para transformar a propriedade racial do setor. Uma nova versão da carta foi introduzida em junho, mas todos os lados disseram que não foram consultados adequadamente no processo de redação. – tensões da indústria – No ano passado, a Câmara dos Minas disse que perdeu a confiança no ministro dos recursos minerais de Zuma, Mosebenzi Zwane, acrescentando que a carta “destruirá a indústria” se totalmente implementada.

Um pedido para que a carta seja reservada será discutido no tribunal no final deste mês. Zwane também esteve implicado no amplo escândalo de corrupção de “captação estadual” que atualmente acumula a política sul-africana. Antes de Ramaphosa assumir o ANC, a perspectiva de mineração foi “subjugada”, disse Peter Leon, analista de mineração e co-presidente da empresa legal Herbert Smith Freeholds ‘Africa Group, à AFP. “Investidores globais com interesse na África do Sul realmente adotaram uma atitude de espera até depois da conferência eletiva do ANC”, disse ele. “Ramaphosa é um comunicador muito eficaz e ele está fazendo todos os ruídos corretos”. A reação a Ramaphosa se tornando presidente do ANC – derrotando a ex-esposa de Zuma, Nkosazana Dlamini-Zuma – foi imediata, com o fortalecimento do RN contra o dólar dos EUA.

“Não há dúvida de que o sentimento em relação à África do Sul melhorou consideravelmente”, explicou o economista sênior do Bureau for Economic Research, Hugo Pienaar. – Tainted by Marikana – Um sindicalista-virado-magnata, Ramaphosa é visto por muitos como atravessar as fronteiras muitas vezes carregadas entre negócios, governo e trabalho. Ele fundou a União Nacional de Trabalhadores de Minas na década de 1980, construindo-a na maior e mais poderosa união do país. Mas, como diretor não-executivo na minera de platina Lonmin, ele pediu infames por “ação concomitante” contra grevistas no Marikana em 2012, dias antes de 34 mineros terem sido mortos a tiros pela polícia.

Fonte: Jornal Folha de Goiás