Investidor digere dados da China e cobre opera em baixa

Os contratos futuros de cobre operam a sessão desta terça-feira em queda, influenciados pelo movimento de realização de lucros recentes. Após subir mais de 30% ao longo do ano de 2017, o metal recua enquanto os investidores digerem dados mais recentes do setor industrial da China. Há pouco, o cobre para março tinha queda de 0,55%, a US$ 3,2825 por libra-peso na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex). A tonelada do metal para três meses, negociado na London Metal Exchange (LME) caía 0,34%, para US$ 7.227,00.

Nesta madrugada, a IHS Markit e a Caixin Media informaram que o índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial da China subiu de 50,8 em novembro para 51,5 em dezembro. Este é o maior nível desde agosto. A subida do PMI da IHS Markit contrasta com o indicador oficial, divulgado no sábado. De acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas da China, o índice caiu de 51,8 em novembro para 51,6 em dezembro.

Entre os demais metais básicos negociados na LME, o sinal é majoritariamente positivo, em meio a uma sessão de queda do dólar. Quando a cotação da moeda americana cai, os preços das commodities tendem a subir, uma vez que elas se tornam mais atrativas para investidores de fora dos Estados Unidos. A tonelada do zinco tinha alta de 0,54%, a US$ 3.334,00, o níquel avançava 1,42%, para US$ 12.825,00, e o chumbo subia 0,84%, para US$ 2.519,00. Por sua vez, o alumínio recuava 0,33%, para US$ 2.272,50, e o estanho cedia 0,23%, para US$ 19.950,00.

Fonte: Dow Jones Newswires