Cobre opera em baixa, diante do dólar mais forte

O cobre recua na manhã desta quarta-feira, embora sem muito impulso, em meio a uma valorização do dólar em geral. Ontem, a moeda americana mais fraca beneficiou os contratos do metal, mas hoje o movimento é inverso. Às 7h50 (de Brasília), o cobre para três meses caía 0,23%, a US$ 6.789 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). O cobre para dezembro tinha baixa de 0,24%, a US$ 3,0970 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), às 7h59.

O dólar mais valorizado torna o cobre mais caro para os detentores de outras moedas. Isso reduz o apetite dos investidores pelo metal e tende a pressioná-lo. Investidores ainda aguardam o relatório mensal de empregos dos Estados Unidos, previsto para esta sexta-feira. O dado é um sinal importante da economia americana e influi nas decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Hoje, sai o relatório da ADP de criação de vagas no setor privado, visto como uma prévia do dado oficial.

Analistas apontam que o mercado passa a acreditar mais que o Fed não terá pressa no aperto monetário. O Commerzbank ainda diz em nota que a tempestade Harvey pode também atrapalhar os planos de elevação de juros, já que gera um impacto negativo de curto prazo na economia dos EUA.  Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco subia 0,39%, a US$ 3.124 a tonelada, o alumínio recuava 0,22%, a US$ 2.087,50 a tonelada, o estanho tinha baixa de 0,22%, a US$ 20.405 a tonelada, o níquel caía 0,55%, a US$ 11.665 a tonelada, e o chumbo cedia 0,19%, a US$ 2.381,50 a tonelada.

Fonte: Dow Jones Newswires