Cobre opera em alta, após PMI da indústria da China confirmar expansão do setor

Os contratos futuros de cobre avançam nesta segunda-feira, atingindo em Londres a máxima em dois anos, após uma leitura que mede a atividade industrial na China frustrar a expectativa dos analistas, mas continuar em território de expansão. Às 7h50 (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,87%, a US$ 6.400,50 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). Às 8h14, o cobre para setembro tinha alta de 0,83%, a US$ 2,8990 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

Os ganhos do cobre de hoje levam o avanço semanal do metal em Londres a mais de 6%. O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) oficial da indústria chinesa caiu de 51,7 em junho para 51,4 em julho, ante previsão de 51,6 dos analistas. Ainda assim, continuou confortavelmente acima da marca de 50, que separa contração da expansão nessa pesquisa.

Na semana passada, o cobre foi beneficiado pela elevação da projeção de crescimento da China feita pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Além disso, o governo chinês disse que poderia reduzir as importações de cobre, o que deu ao metal seu melhor desempenho semanal em cinco meses. Analista-chefe de commodities da SEB Markets, Bjarne Schieldrop, afirmou que os metais continuam a se beneficiar graças aos números sólidos do PMI chinês e também às projeções de crescimento ajustado da China, da última semana.

Em nota hoje, o ING afirmou que o PMI da indústria da China mostrou que a atividade no setor do país continuou a se expandir. Por outro lado, participantes do mercado mostraram certa cautela quando dados da Commodity Futures Trading Commission mostraram que os ganhos da semana passada foram impulsionados por atividade especulativa, não por qualquer grande mudança nos fundamentos na oferta, disse em nota o Commerzbank.

Investidores esperam agora a leitura não oficial do PMI da indústria da China, prevista para 22h45 (de Brasília) desta segunda-feira. Além disso, há expectativa pelo relatório oficial de empregos (payroll) dos Estados Unidos, nesta sexta-feira. Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco recuava 0,75%, a US$ 2.806,50 a tonelada, o alumínio caía 0,42%, a US$ 1.919,50 a tonelada, o estanho tinha alta de 0,60%, a US$ 20.825 a tonelada, o níquel subia 0,05%, a US$ 10.275 a tonelada, e o chumbo recuava 0,43%, a US$ 2.338 a tonelada.

Fonte: Dow Jones Newswires