Cobre opera em baixa acentuada, com foco em estoques e na demanda da China

Os preços do cobre têm recuo considerável nesta quarta-feira, com o aumento nos estoques monitorados pela London Metal Exchange (LME) coincidindo com crescentes temores sobre a demanda da China. O cobre para três meses operava em baixa de 2,29%, a US$ 5.673 a tonelada, na LME, às 7h45 (de Brasília). Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o cobre para julho caía 2,50%, a US$ 2,5695 a libra-peso, às 7h57.

Dados divulgados após a abertura das negociações em Londres mostraram que os estoques de cobre nos depósitos globais da LME tiveram crescimento substancial. Esses números revelaram uma alta de 32% nos estoques do metal, segundo o analista Alastair Munro, da Marex Spectron.

Na avaliação do diretor de pesquisas da BOCI Global Commodities, Xiao Fu, aparentemente há uma mudança de estoques de lugar e a alta deve ser pontual. Segundo ele, desde o início de março houve períodos de aumento nos estoques de cobre, o que deve continuar a ocorrer.

A elevação nos estoques globais ocorre um dia após um dado mais fraco que o esperado do índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da indústria da China tirar fôlego dos ganhos motivados pelas greves na mina indonésia Grasberg, da Freeport-McMoRan. Os números fracos do PMI da China elevam a preocupação sobre a demanda chinesa pelo metal mais adiante, segundo Ole Hansen, do Saxo Bank.

O analista Matt France, da Marex Spectron, afirmou que os temores se refletiram nos preços do minério de ferro, que recuaram mais de 2%.

Além disso, uma comissão parlamentar das Filipinas rejeitou a nomeação de Regina Lopez como ministra do Meio Ambiente. Ela havia determinado o fechamento de várias minas e declarou licenças de mineração nulas. O Commerzbank disse que ainda não está claro se a decisão pode ser revertida, embora o fracasso dela em ganhar apoio na comissão explique o motivo de o níquel recuar mais de 2%.

Entre outros metais básicos na LME, o alumínio recuava 0,44%, a US$ 1.923 a tonelada, o chumbo caía 1,87%, a US$ 2.201 a tonelada, o estanho teve baixa de 0,45%, a US$ 19.900 a tonelada, o zinco recuava 1,66%, a US$ 2.606,50 a tonelada, e o níquel caía 2,36%, a US$ 9.320 a tonelada.

Fonte: Dow Jones Newswires