Futuros de ouro, prata e cobre – Projeção semanal: 22 a 26 de agosto

Os preços do ouro encerraram a sessão de sexta-feira em território negativo, uma vez que os investidores digeriram um novo lote de comentários de importantes legisladores do Fed sobre a possibilidade de um aumento das taxas de juros no curto prazo pelo banco central norte-americano.

Na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), o ouro com vencimento em dezembro caiu US$ 11,00, ou 0,81%, e foi negociado a US$ 1.346,20 por onça-troy no fechamento das negociações. As chances para um aumento das taxas de curto prazo voltaram ao foco após o presidente do Fed de San Francisco, John Williams ter sinalizado apoio a um aumento da taxa em setembro em um discurso na quinta-feira.

“No contexto de uma forte economia doméstica com boa dinâmica, faz sentido voltar a um ritmo de aumentos da taxa gradualmente, de preferência, mais cedo do que mais tarde”, disse ele. O discurso de Williams foi apenas o último da retórica conservadora das principais autoridades do Fed. No início desta semana, os presidentes do Fed de Nova York e Atlanta William Dudley e Dennis Lockhart disseram que um aumento das taxas em setembro pode ser considerado.

De acordo com o Monitor da Taxa de Juros da Reserva Federal da Investing.com, os investidores estão apostando em uma chance de 12% de um aumento das taxas em setembro. A probabilidade para dezembro ficou em torno de 46%. O metal precioso é sensível a movimentos nas taxas norte-americanas, o que aumenta o custo de oportunidade de detenção de ativos de baixo rendimento como metais preciosos, ao passo que estimula o dólar, moeda em que é cotado.

O índice do dólar, que avalia a força do dólar norte-americano em comparação com a cesta das seis principais moedas, subiu 0,4% na sexta-feira, para 94,48, uma vez que os investidores começaram a apostar em uma maior probabilidade de aumento das taxas do Fed neste ano.

Um dólar norte-americano mais forte geralmente pesa sobre o ouro, porque a moeda diminui o apelo do metal como um ativo alternativo e torna as commodities negociadas em dólar mais caras para os detentores de outras moedas.

Apesar das perdas sofridas na sexta-feira, o metal amarelo ainda terminou com um ganho semanal de US$ 3,90, ou 0,34%, em meio a mensagens conflitantes sobre o cronograma para o próximo aumento das taxas de juros nos EUA.

As atas da reunião de política de julho do Banco Central dos EUA (Fed) publicadas no início da semana mostraram que os membros do comitê permaneceram divididos quanto ao cronograma do próximo aumento das taxas, embora o acordo geral tenha sido de que mais dados são necessários antes de alguma ação.

Um aumento gradual das taxas é visto como uma ameaça menor para os preços do ouro do que uma série rápida de aumentos.

No ano, os preços do metal subiram quase 25%, estimulados pelas preocupações com o crescimento mundial e expectativas para estímulo monetário.

Também na Comex, os futuros de prata com vencimento em setembro caíram 42,3 centavos, ou 2,14%, na sexta-feira, encerrando a semana em uma baixa de sete semanas US$ 19,31 por onça-troy. Na semana, os futuros de prata caíram 43,2 centavos, ou 2,19%, a terceira perda semanal consecutiva.

Enquanto isso, nas negociações de metais, o cobre com vencimento em setembro recuou 2,7 centavos, ou 0,02%, para US$ 2,167 por libra na sexta-feira. Na semana, os preços do cobre negociados em Nova York aumentaram 2,5 centavos, ou 1,26%, o primeiro ganho semanal em um mês.

Nesta semana, os participantes do mercado estarão prestando atenção a um discurso muito esperado da presidente do Banco Central dos EUA (Fed), Janet Yellen, na reunião com os banqueiros e economistas mais importantes em Jackson Hole, Wyoming, para novas pistas sobre o cronograma para o próximo aumento das taxas de juros nos EUA

Além disso, os investidores vão continuar se concentrando nos relatórios econômicos para medir se a maior economia do mundo está forte o suficiente para resistir a um aumento das taxas nos próximos meses, com dados na sexta-feira sobre a revisão dos dados de crescimento do segundo trimestre em foco.

Fonte: Investing.com