Urânio em águas de poço na Bahia é de origem natural, determina estudo

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) concluiu que os teores de urânio detectados nas águas de poço em Varginha, na cidade baiana de Lago Real, são originados do ambiente geológico. A informação foi divulgada pelas Indústrias Nucleares do Brasil (INB).

Segundo a INB, estudos e análises foram feitos na região de Caetité e permitiram chegar a essa conclusão. O parecer do Ibama foi enviado à INB e afirma que “o problema da ocorrência de urânio no poço tubular objeto de investigação não apresenta relação com as atividades minerárias e industriais na INB Caetité, mas sim com os condicionantes geológicos e geoquímicos locais, notadamente, caracterizados pela presença de rochas mineralizadas em urânio”.

A empresa diz que o parecer do Ibama confirma estudos da própria INB que mostram que não existe interligação entre a bacia hidrográfica onde fica a INB Caetité e aquela onde está o poço em questão, o que significa que não há possibilidade de contaminação das águas por conta da atividade de mineração no local.

O Ibama destaque o poço foi perfurado em local onde existe uma jazida natural de urânio, ou seja, a fonte do teor de urânio nele é interna, e não externa. As análises do Ibama foram feitas após série de reportagens do Estado de S. Paulo sobre o alto nível de urânio no poço.

Fonte: Correio24 Horas