Metais básicos caem em Londres acompanhando ações na Europa

zinc-bar6

A queda nos índices de ações da Europa e a valorização do dólar pressionam as cotações dos metais básicos na London Metal Exchange (LME). Analistas, contudo, consideraram necessária essa tomada de fôlego após os ganhos recentes nesse mercado. Por volta das 7h45 (de Brasília), os contratos de cobre para três meses tinham queda de US$ 130, a US$ 6.295 por tonelada; os de alumínio perdiam US$ 32, a US$ 1.895 por tonelada; os de zinco recuavam US$ 31, a US$ 1.824 por tonelada; os de níquel cediam US$ 520, a US$ 19.080 por tonelada e os de estanho baixavam US$ 375, a US$ 14.000/t.

Os contratos de chumbo perdiam US$ 29, a US$ 1.996 por tonelada após terem alcançado máxima de 11 meses ontem, diante dos temores relacionados ao fechamento de fundições na China por conta de casos de contaminação. No pregão eletrônico da Comex, divisão de metais da New Mercantile Exchange, às 8h13 (de Brasília), os contratos para entrega em setembro tinham queda de US$ 0,0585 (2,01%), a US$ 2,8565 por libra-peso.

Enquanto realiza lucros sobre os ganhos recentes, os participantes do mercado de metais esperam por dados importantes sobre a economia dos Estados Unidos. Na quarta-feira saem os dados sobre as encomendas de bens duráveis e vendas de residências novas, ambos em julho, e na quinta-feira a primeira revisão do PIB do segundo trimestre. Números melhores que os esperados podem sustentar a confiança na recuperação da economia mundial e atrair mais dinheiro especulativo para as commodities.

“Os metais são uma das principais peças no jogo da recuperação global”, comentou Robin Bhar, analista do banco Calyon. “Eles são hedge contra a desvalorização do dólar e contra a inflação”. Por outro lado, o temor de um aperto no crédito na China pode reduzir o consumo de metais, o que pressionaria as cotações. “Óbvio que as preocupações com a China continuam”, observou Bhar, mas há analistas confiantes de que o país manterá o compromisso de sustentar um ambiente fiscal e monetário que estimule a economia.