Metais sobem com redução de estoques; níquel atinge máxima de 7 meses

Os metais básicos negociados na London Metal Exchange (LME) registravam, em sua maioria, alta nesta quarta-feira, em meio a uma onda de otimismo nos mercados de ações. O cobre operava perto de uma máxima de três semanas, impulsionado pela redução nos estoques e compras técnicas, e o níquel atingiu uma máxima de sete meses em momentos anteriores da sessão, mas parece enfrentar resistência acima de US$ 13.900,00 por tonelada.

Se o níquel não conseguir se manter acima desse patamar, pode passar a recuar em direção a US$ 12.000,00 por tonelada, pressionado por realização de lucro, segundo o analista Leon Westgate, do Standard Bank. Às 6h59 (de Brasília), o cobre para três meses era negociado a US$ 4.689,00 por tonelada na LME, alta de US$ 29,00 ante o fechamento de ontem, e se esforçava para romper o nível de US$ 4.700,00 por tonelada.

O níquel avançava US$ 225,00, a US$ 13.625,00 por tonelada, depois de atingir uma máxima de sete meses a US$ 13.900,00 por tonelada. O zinco ganhava US$ 1,25, a US$ 1.501,25 por tonelada. O chumbo tinha valorização de US$ 8,00, a US$ 1.452,00 por tonelada, e o estanho subia US$ 280,00, a US$ 13.930,00 por tonelada. O alumínio era o único metal em queda, recuando US$ 7,00 por tonelada, a US$ 1.444,00 por tonelada.

Na Comex eletrônica (divisão de metais da Nymex – New York Mercantile Exchange), às 8h25 (de Brasília), o contrato do cobre para julho operava em direção contrária ao cobre da LME, caindo 0,51%, para US$ 2,1300 por libra-peso. Os estoques de cobre na LME tiveram redução de 7.300 toneladas nesta quarta-feira, atingindo o menor nível desde meados de dezembro.

Na Shanghai Futures Exchange, os estoques semanais de cobre sofreram queda de aproximadamente 4.000 toneladas. A direção dos metais no curto prazo pode ser influenciada por dados sobre vendas de imóveis residenciais usados nos Estados Unidos durante o mês de abril, que serão divulgados nesta quarta-feira às 11 horas (de Brasília). Números acima do esperado (a previsão é de 4,67 milhões) podem deixar o mercado otimista.