Metais caem com avanço do dólar e provável venda de cobre da China

Os metais básicos negociados na London Metal Exchange (LME) registravam baixa nesta terça-feira pressionados por ganhos do dólar e relatos de que o Departamento de Reservas Estatais da China (SRB, na sigla em inglês) planeja vender cobre no mercado doméstico.

Traders chineses afirmaram que o SRB pretende vender grandes quantidades de cobre que devem chegar a portos de Xangai até o fim do mês. Acredita-se que o SRB tenha importado cerca de 50.000 toneladas de cobre que podem chegar ao país na semana que vem. “Em geral, o mercado está na defensiva esta manhã.

Há pouca coisa em que os altistas possam apostar”, disse um trader de Londres. Às 7h09 (de Brasília), o cobre para três meses era negociado a US$ 4.505,00 por tonelada na LME, queda de US$ 100,00 ante o fechamento de ontem. O zinco recuava US$ 38,00, a US$ 1.479,00 por tonelada, pressionado por um aumento de 5.000 toneladas nos estoques da LME nesta terça-feira.

O chumbo perdia US$ 34,00, a US$ 1.405,00 por tonelada. O alumínio tinha desvalorização de US$ 1,50, a US$ 1.439,50 por tonelada, e o níquel caía US$ 215,00, a US$ 12.575,00 por tonelada. O estanho perdia US$ 125,00 por tonelada, a US$ 13.525,00 por tonelada. Na Comex eletrônica (divisão de metais da Nymex – New York Mercantile Exchange), às 8h08 (de Brasília), o contrato do cobre para julho recuava 2,46% para US$ 2,0460 por libra-peso.

Segundo traders, um movimento de vendas levou o cobre e o zinco para abaixo de médias móveis, aumentando a chance de mais vendas técnicas. O cobre caiu abaixo de uma média móvel de 30 dias a US$ 4.545,00 por tonelada, e de uma média móvel de 10 dias a US$ 4.520,00 por tonelada. De acordo com o analista John Reade, do UBS, o mercado de cobre na China não está mais em situação crítica em termos de oferta, o que deixa o metal vulnerável a realização de lucro até que a demanda local se fortaleça.