Produção de metais em abril na China mostra que demanda ainda é fraca

A China revelou nesta quarta-feira um conjunto misto de resultados da produção dos principais metais industriais em abril, registrando declínios na produção de minério de ferro, aço bruto e alumínio. Já a produção de cobre, chumbo e zinco apresentou ganhos na comparação com a do mesmo mês do ano passado. Segundo os analistas, as estatísticas de abril traçaram o retrato de um país que ainda luta com as condições frágeis da demanda.

“Os fundamentos da economia chinesa não mudaram muito. O consumo ainda está fraco”, disse Wang Zhouyi, analista de metais da Cifco Futures, de Xangai. A produção industrial da China em abril aumentou 7,3% em relação a um ano antes, diminuindo o ritmo de crescimento na comparação com os 8,3% de março e ficando abaixo da expectativa de mercado, de uma expansão de 8%.

Os principais segmentos do setor de metais ainda estão sofrendo com a demanda fraca e com a falta de preços competitivos. A produção de minério de ferro caiu 16,5% em relação a abril de 2008, para 60,8 milhões de toneladas, e a de aço bruto diminuiu 3,9%, para 43,4 milhões de toneladas. O declínio na produção doméstica de minério de ferro é resultado do fato de as principais mineradoras globais estarem reduzindo o custo da produção local, levando ao que os analistas chamam de fechamentos em massa de minas domésticas.

“Elas estão sob pressão por causa das concorrentes estrangeiras”, disse Du Wei, analista da consultoria Umetal, de Pequim. As maiores fornecedoras de minério para a China, a Rio Tinto, a Vale e a BHP Billiton, ofereceram descontos e acordos de embarque, num esforço agressivo para garantir participação de mercado.

De acordo com os analistas, os descontos da Vale, que incluem abatimentos provisórios de 20% no preço do minério para as usinas chinesas, foram feitos às custas do lucros da Vale no primeiro trimestre, que foram mais fracos do que o esperado. “O principal culpado foi o preço do minério de ferro”, afirmou num relatório da semana passada a divisão Wealth Management Brasil do banco UBS Pactual.

Entretanto, as usinas siderúrgicas da China estavam começando a cortar produção em abril, em resposta à queda dos preços, afirmou Du Wei. A produção de alumínio declinou 21,5% em relação a abril de 2008, para 876 mil toneladas. “Houve um sério superávit de alumínio no ano passado, entrando neste ano”, afirmou Wang, da Cifco.

“Como resultado, muitas fundições fecharam e os preços do alumínio no primeiro trimestre não foram suficientes para garantir a produção”, disse Yang Yinghui, gerente-geral do departamento de produtos industriais da COFCO Futures Brokerage. Algumas fundições começaram a retomar a produção, já que o metal parece prestes a romper os 13 mil yuans por tonelada, acrescentou. Mas a escala das retomadas pode ser menor do que outros analistas estimaram, disse Wang.

“A produção chinesa das principais commodities ou está caindo (minério de ferro), ou estagnada (petróleo bruto, soja), ou crescendo de forma insuficiente para acompanhar a demanda (cobre), disse o Barclays Capital, numa nota divulgada na terça-feira à noite. O cobre mostrou sinais de recuperação na produção, mas os produtores locais enfrentam uma dura competição e são golpeados continuamente por quedas de preço provocadas por uma enorme onda de importações de cobre mais barato. A produção de cobre subiu 2,9% sobre a de abril do ano passado, para 338 mil toneladas, a de chumbo avançou 13,5%, para 302 mil toneladas, e a de zinco aumentou 3,7%, para 335 mil toneladas.