Metais operam em alta com cobertura de posições vendidas

Os metais básicos negociados na London Metal Exchange (LME) registravam alta nesta terça-feira com cobertura de posições vendidas, que eram impulsionadas por ganhos do petróleo e recuo do dólar. Às 6h56 (de Brasília), o cobre para três meses era negociado a US$ 4.656,00 por tonelada na LME, alta de US$ 91,00 ante o fechamento de ontem.

O alumínio avançava US$ 11,00, a US$ 1,550,00 por tonelada, e zinco ganhava US$ 25,00, a US$ 1.567,00 por tonelada. O níquel tinha valorização de US$ 475,00, a US$ 13.400,00 por tonelada, e o chumbo subia US$ 39,00, a US$ 1.465,00 por tonelada. O estanho ganhava US$ 300,00 por tonelada, a US$ 14.200,00 por tonelada.

Na Comex eletrônica (divisão de metais da Nymex – New York Mercantile Exchange), às 7h56 (de Brasília), o contrato do cobre para julho avançava 1,44%, para US$ 2,1185 por libra-peso. Segundo analistas, capacidade ociosa de refinarias de zinco e alumínio na China está agora começando a ser reutilizada por conta da melhoria dos preços.

Participantes do mercado estão divididos sobre quais serão os próximos movimentos dos preços. Alguns acreditam que, devido à demanda fraca, os futuros irão recuar, enquanto outros apostam que os preços irão subir com investidores retornando aos mercados.

“Investidores estão voltando aos mercados de commodities, e a alta dos preços será guiada por investidores, e não por fundamentos”, afirmou o analista David Thurtell, do Citigroup. Já para Will Adams, analista do site Base Metals, uma recuperação sustentável dos preços na LME no curto prazo é improvável e, devido à situação dos mercados financeiros, os participantes não devem se empolgar com ganhos recentes dos metais.