Estoques de minério sobem na China, mas demanda pode sustentar preço

Os estoques de minério de ferro nos portos chineses aumentaram 11%, para 64,5 milhões de toneladas métricas, em um mês até a última sexta-feira. Segundo analistas, o aumento reflete a incapacidade da demanda das siderúrgicas em acompanhar o ritmo das importações. Mas, com a provável elevação da produção de aço no meio do ano, decorrente dos projetos de infraestrutura do governo, as siderúrgicas chinesas ainda não podem pressionar pelo corte de 30% a 50% nos preços de referência do minério de ferro, como vinham pedindo às mineradoras globais.

“A queda dramática em termos do que parecia possível há poucas semanas é menos provável agora que a perspectiva para a produção de aço da China melhorou temporariamente”, disseram Dan Smith e Judy Zhu, economistas do banco Standard Chartered. O banco manteve a previsão anterior de uma queda de 20% nos preços de referência. Os estoques de minério de ferro da China saíram de uma mínima de 58,1 milhões de toneladas em meados de fevereiro, enquanto os preços do aço encerravam um rali de cerca de dois meses, do início de dezembro a meados de fevereiro. Os “dealers” aproveitaram os preços baixos durante esse período para pedir que as siderúrgicas refizessem seus estoques, antecipando-se a uma recuperação puxada pelos pacotes de estímulo do governo. Isso levou a produção de aço bruto para uma alta anual de 2,4% no primeiro bimestre.

“Isso rapidamente se traduziu num grande aumento dos estoques não vendidos”, disseram Smith e Zhu, apontando a demanda ainda fraca da indústria e do setor de manufaturas. Os preços da bobina a quente, um dos principais indicadores dos preços do aço, caíram 16,4% em relação ao pico do final de janeiro, segundo a Macquarie Research. “Isso sugere que uma porção significativa do crescimento da demanda aparente pode ter sido formação de estoques”, disse a Macquarie. Citando o Steel Business Briefing, o banco Standard Chartered afirmou que os estoques chineses de bobina a quente atingiram o recorde de cerca de 10 milhões de toneladas.

Mas os preços do minério de ferro no mercado à vista podem subir novamente, segundo o banco, por causa da provável melhora da demanda das siderúrgicas em meados de 2009, como consequência dos projetos de infraestrutura do governo. A previsão sugere que as atuais flutuações nos preços do aço e do minério de ferro podem não resistir a uma projeção otimista para o longo prazo, colocando em evidência a estratégia das mineradoras globais de se mover lentamente nas negociações de preço. “Isso pode ajudar a sustentar os preços do minério no mercado à vista e levar as negociações a favorecerem novamente as mineradoras”, disseram Zhu e Smith. “Há até a possibilidade de que as discussões se arrastem para o final de 2009.”